Depois de dois adiamentos, entrada da UFSC pelo Pantanal reabre hoje, quarta-feira

O bloqueio foi necessário devido às obras de duplicação da Rua Deputado Antônio Edu Vieira

Por Júlia Weiss

Ônibus voltam a circular pela UFSC. Foto: Júlia Weiss

Após ser postergado por duas vezes, o acesso à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), pelo bairro Pantanal, na rua Engenheiro Agronômico Andrei Cristian Ferreira, foi reaberto nesta quarta-feira (5). Com o bloqueio, três linhas de ônibus que atendem a região tiveram seus alterados. São elas: 137 — Volta ao Morro Pantanal Norte via Titri, 138 — Volta ao Morro Pantanal Sul via Titri e 185 — UFSC Semidireto. Todas retornarão na manhã desta quarta-feira. A previsão inicial para reabertura da entrada era para o dia 5 de setembro, que passou para o dia 20 de setembro. A Secretaria de Infraestrutura de Florianópolis justifica os atrasos devido à não conclusão da pavimentação do asfalto e das calçadas do entorno.

Obras internas da rua Cristian Ferreira, da UFSC, devem-se às obras de duplicação da rua Deputado Antônio Edu Vieira, transversal à rua Cristian Ferreira. Até o último dia de agosto, uma intervenção estava disponível1 a necessidade de fechar este para os últimos meios, semanas, quando fez o dia de serviços de terraplanagem e de pavimentação que cortam a terra.

Hélio Quadros, prefeito da UFSC, explica que é uma responsabilidade entre a Prefeitura Municipal de Florianópolis e a instituição, por isso foi possível e legal esse bloqueio e também as mudanças das rotas das linhas de ônibus.

Foram feitas algumas exigências de segurança dos estudantes, pois a rua Cristian Ferreira é uma via de bastante impacto para a UFSC. O prefeito universitário por todos os caminhões, veículos que entregam os insumos dos laboratórios e por onde entra na Autarquia de Melhoramentos da Capital (Comcap para fazer coleta de lixo).

Pedestres passam pelo mesmo lugar que os caminhões. Foto: Júlia Weiss

Sem a finalização da pavimentação do asfalto, diversas partes da rua estão com barro, buracos e pedras. Natan Kanitz, estudante de Engenharia de Controle e Automação, já chegou a escorregar por conta da lama que se forma especialmente em dias de chuva. Ele também destaca a falta de sinalização nas passagens de pedestres. “Eles vivem trocando a parte que está interditada e que aqui não está interditada. Então, volta e meia eu tenho que trocar a minha rota e eu não sei exatamente onde é que eu tenho que passar”.

Sobre essa questão, o engenheiro fiscal da obra, Ricardo Junckes, explica que, como a construção é muito dinâmica, não dá para fazer definitivo nada. Para amenizar os transtornos, têm-se, com tela de proteção,-brita para não gerar lama. Ele fica até o final de outubro para a calçada em frente ao Centro de Desportos (CDS) até o Centro Tecnológico (CTC) deve ficar pronto, para o trânsito dos pedestres.

--

--

Jornal-laboratório do curso de Jornalismo da UFSC

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store